Dados

[Webinar] Case Movida – Descomplicando o processo de dados

Confira tudo o que rolou no nosso primeiro webinar com a Movida!

Estamos vivendo, hoje, em um cenário onde a quantidade de dados disponíveis é praticamente infinita, tanto em meios online quanto em meios offline. O mundo da comunicação e do marketing, por sua vez, vem passando por uma transformação graças à todas essas informações e à evolução da tecnologia, que nos permite coletar, gerenciar e analisar dados da melhor maneira possível, personalizando a comunicação das empresas para cada cliente ou possível cliente.

E é por isso que, na última quarta-feira (13/02), convidamos Charles Sperandio, CMO da Movida, Pyr Marcondes, Diretor da Meio&Mensagem, Carlos Durão, Manager de Business Intelligence da Reamp e Caio Ferro, COO da Reamp, para um bate-papo sobre como é possível descomplicar desafios existentes na operação de uma empresa, trazendo uma visão ampla de todas as mídias e dos dados transacionais e transformando o dia a dia da equipe.

Com as ferramentas e soluções da Reamp, desenvolvemos, em conjunto com a Movida, uma automação de dados personalizada, com múltiplas integrações e novas rotinas de visualização de resultados e geração de insights, que resultaram em um ganho de velocidade e permitiram que todos os envolvidos produzissem mais, em menos tempo e com muito mais qualidade. Por isso, resolvemos dividir o nosso aprendizado e falar sobre o futuro do marketing diante da exigência, cada vez maior, da gestão adequada de dados.

 

Transformações no mercado de locação de automóveis

Não é novidade que, hoje, todas as indústrias estão passando por transformações, e com o mercado de locação de automóveis não está sendo diferente. Ao ser questionado por Pyr, mediador da conversa, Charles explicou que o mercado cresceu exponencialmente no Brasil nos últimos anos, principalmente pela mobilidade e pela conveniência entre jovens adultos de 25 a 35 anos.

“Os millenials têm, cada vez mais, desapego de compra, querem viver experiências, gostam de viajar, querem se deslocar com mais rapidez e conveniência, e por isso eles vêm mudando o formato de mobilidade, compra e disponibilidade de serviços no Brasil. O aluguel de carros é uma das melhores opções do país hoje”, afirmou Charles. “A Movida completou recentemente 12 anos, e tem como diferencial essa jovialidade, a forma disruptiva de pensar não só produtos, mas também a comunicação, novas plataformas e campanhas tanto no off quanto no online”.

Todo esse diferencial tem uma lógica digital, uma proposta de abordagem do mercado através de plataformas e tecnologias. Por isso, de acordo com o profissional, qualquer budget de marketing tem, hoje, o online se sobrepondo o offline em todos os investimentos, já que possui maior propriedade em relação ao público que está atingindo e possui toda a base de informações para entender suas personas.

“Hoje, o profissional de marketing precisa ter sinergia entre a base de dados interna do produto com plataformas de DMP, que te dão todo o perfil da pessoa, para ter resultados melhores”, completou. “Isso é o que buscamos, a Reamp com a Movida é um trabalho realizado a quatro mãos. Iniciamos com uma imersão em cima do negócio, mostrando quais são os indicadores do cliente, o que precisa ser entregue e principalmente o mercado, que é essencial para uma estratégia clara. Aí sim, depois que você teve essa imersão, vai para o segundo passo que é construir o planejamento tanto de performance quanto de branding – e, assim, você acaba tendo a conversão final, conhecimento de marca e a sua ativação”.

O gestor de marketing tem, hoje, uma série de instrumentos à sua disposição. No entanto, apesar de serem práticos, eles também podem ser muito complexos. Pensando nisso, Charles destacou que divide toda a estratégia de marketing e comunicação da empresa em ATL e BTL – sendo ATL aonde é construído o offline, o posicionamento da marca e uma campanha proprietária e o BTL o trade marketing, a entrega final do produto e a preocupação com a experiência do cliente.

“O ponto de venda hoje é a experiência do cliente que a gente se preocupa. A internet fica exatamente na conexão entre esses dois mundos, e acredito que o grande diferencial de uma estratégia é você inserir o online entre o BTL e o ATL, pois ela pode conectar esses dois mundos”, falou o especialista.

 

Principais mudanças com a LGPD

Um dos temas abordados durante o webinar também foi a Lei Geral de Proteção de Dados, que entrará em vigor em agosto de 2020 e tem como objetivo aumentar a segurança dos usuários na internet e das informações que são compartilhadas nela. Como mencionado por Pyr, dados sempre foram, historicamente, tratados com uma certa negligência, e a partir de agora isso irá mudar.

Caio mencionou que estamos vivendo agora a época de adaptação para essa nova lei, que vai envolver uma série de tratamentos e conexões entre competências diferentes, seja dentro da organização ou nas tecnologias que coletam e analisam dados. “A lei é bem clara, tem algumas premissas básicas, mas o mais importante é que as empresas vão precisar evidenciar tudo que elas estão armazenando e qual é a finalidade de cada dado”, ressaltou.

Além disso, de acordo com o especialista, a lei irá obrigar que as empresas consigam ter uma consistência no armazenamento das informações e tratar o consumidor como único e independente do canal, o que gera uma série de desafios para os gestores de marketing, de CRM, e de todas as frentes de comunicação com o consumidor.

“Por isso, acho que hoje o nosso grande desafio foi conseguir integrar a área de marketing com TI, com orientações de CRM e todas as iniciativas de comunicação da empresa, não só se tratando de tecnologias mas de competências humanas, como criamos novas rotinas, novas operações, como elas usam de todo conhecimento que já foi gerado”, afirmou. “A gente fala muito de tecnologia e dados, mas por trás disso estão as pessoas. Então, unir essas áreas e integrar essas pessoas é o mais desafiador. Essas tecnologias são bem práticas, mas as corporações são muito grandes, são várias lideranças, existem políticas por trás disso que exigem uma imersão muito maior do que apenas tecnológica”.

 

A importância dos dashboards e da centralização de dados

Entrando no assunto de centralização de dados, também foi abordado o tema de dashboards, sua capacidade de gestão de dados e a sua relação com o modelo antigo de relatórios. Pyr mencionou que uma plataforma de dashboard pode ser muito complexa, já que as empresas sempre foram um pouco bagunçadas nessa gestão de informações. para Carlos, quando montamos uma estrutura de dados e criamos um dashboard, é importante ter um alinhamento de expectativas com o cliente. “Um dashboard não vai ser feito tão rápido igual dados de relatórios, é necessário um desenvolvimento e um entendimento até que essas informações sejam disponibilizadas”, explicou. “A sua disponibilização também é importante. Quando você coloca um dashboard, não coloca apenas todas as informações e espera que a pessoa leia, é preciso colocar elas da maneira correta, com qualidade e garantir que aquilo gere uma tomada de decisão”.

Quando questionado se os dashboards vão matar os relatórios, Carlos acredita que isso não é uma obrigação. “Os dashboards não precisam necessariamente matar os relatórios, mas sim matar os relatórios que não trazem resultados efetivos e nenhuma inteligência”, explicou o especialista.

Caio também complementou com a sua opinião sobre o tema, destacando que o dashboard é outra orientação de negócios e não tem como objetivo suprir um relatório, mas criar uma nova dinâmica de acompanhamento desses dados, mais voltada ao real-time. “O dashboard quer unir as informações das diferentes áreas, e cada uma tem sua cultura de trabalho. Indo pro operacional, ele vai tratar de nomenclaturas cadastradas, possibilidades de visão que foram criadas naquela coleta de dados. Cada área coleta da sua forma, e fazer todas elas se falarem é o grande diferencial do dashboard. Por isso, seu grande desafio é mostrar que ele não está aqui pra ser um novo relatório, e sim um novo instrumento”, falou.

Já em relação à cultura de dados das companhias e à chegada desse enorme volume de dados, Charles explicou que é essencial treinar a sua equipe para utilizarem dashboards diariamente. “Vivemos hoje em um mundo de muitas informações, e precisamos sempre renovar a qualidade de dados e nosso conhecimento digital, porque estamos em um mercado dinâmico. O dashboard é extremamente importante nesse papel aonde, construído em quatro mãos com a Reamp, possui dados do nosso negócio e do mercado, que precisamos para tomarmos decisões com antecedência e rapidez”, destacou. “Sua evolução também é sempre importante e, em relação ao time, devido ao dinamismo do mercado, é necessário atualizarmos todos anualmente. A informação é importante, mas temos que saber usar ela. Não adianta nada termos um dashboard e não sabermos usar e nem priorizar as informações”, completou o especialista.

 

Obrigado pela participação de todos que estiveram com a gente!

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início