Tecnologia

RD Summit 2017 – Marcos Piangers

Especialista falou sobre o que podemos esperar da tecnologia no futuro, dentro do cenário que estamos inseridos atualmente

“Uma espiada no futuro” foi o tema da palestra de Marcos Piangers, especialista em inovação, novas tecnologias, criatividade e uma das maiores referências sobre paternidade no país. Seus vídeos já ultrapassaram mais de 100 milhões de views no Facebook, e seu livro “O papai é Pop” tornou-se um best seller com mais de 150 mil cópias vendidas.

Na época de 1900, para escutar uma música, era necessário ter piano em casa. Anos depois, surgiu a fita cassete para CDs, até que em 1999 um jovem inventou o Napster. Naquele momento, era possível enxergar que aquilo seria o futuro. Porque? Conveniência e preço. Porém, a indústria da música não conseguiu enxergar isso tão claramente. O seu valor caiu pela metade de 1999 até 2014, e as empresas estão comprometidas com melhorias incrementais.

No entanto, hoje em dia, temos ferramentas e tecnologias melhores para problemas antigos. Depois de um tempo de qualidade mínima para o consumidor, a solução torna-se exponencial.

Marcos acredita que, atualmente, ou você é uma empresa com tecnologia ou você não vai mais existir. As empresas hoje em dia têm menos pessoas e geram muito mais resultado. A internet está ficando cada vez mais rápida, com mais pessoas utilizando tecnologia em todas as áreas. Um exemplo dessa mudança são os shoppings centers: Nos EUA, um quarto deles irá fechar até 2022, e em 2016 foi a primeira vez na história do Brasil em que mais shoppings fecharam do que abriram.

O brand está morrendo. As pessoas trocam rapidamente uma marca pela outra, e buscam sempre pelo preço e pela conveniência. O visual é muito importante na tomada de decisões. Por isso, algumas dicas são recomendadas pelo especialista: seja uma empresa de tecnologia, colete dados e informações e crie melhores produtos.

A publicidade tornou-se social. As empresas utilizam o que os outros usam, porque estão falando. É importante que entendam que o foco precisa ser o produto, e na tecnologia que está por trás dele.

Muitas empresas investem mais em pesquisa e desenvolvimento. A inteligência e informação que a tecnologia traz permite que você melhore um produto, a experiência do cliente e a inovação.

Marcos falou também sobre a cegueira involuntária (willful blindness), que é o objetivo e vontade de que o mundo não mude, e continue sempre da mesma maneira. As marcas surgem no momento de crise e o futuro já chegou, apenas não está distribuído ainda.

 

Empresas que surgiram em momentos de crise

 

Com o celular, a impaciência aumentou. Hoje, as pessoas odeiam ser interrompidas e por isso não gostam de receber ligações e se irritam até mesmo com a publicidade. Estamos viciados em tecnologia, passamos horas e horas em dispositivos. As pessoas trocam experiências físicas e pessoais por momentos online. Dentro desse cenário, o que podemos esperar para o futuro?

O especialista acredita que os assistentes virtuais farão as marcas sumirem. Não veremos mais o produto, não iremos comprá-lo nas lojas. No futuro, ninguém mais irá dirigir carros, e consequentemente não existirão mais empresas de seguro, de estacionamento, nem mesmo motoristas e entregas. Todas as principais empresas no mundo estão trabalhando nisso.

Marcos acredita que a tecnologia seja imparável. “Alguém hoje está criando o seu futuro. Depende muito de nós criarmos sistemas seguros, que possam nos ajudar a sermos mais interessantes”, opinou.

 

Fonte: Resultados Digitais

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início